Título: O Livro Dos Espelhos
Autora: E.O. Chirovici
Gênero: Romance Policial
Ano: 2017
Editora: Record
Skoob: Adicione
Número de páginas: 322
Cortesia: Livro cedido pela Editora

SinopseQuando o agente literário Peter Katz recebe por e-mail um manuscrito parcial intitulado O livro dos espelhos, ele fica intrigado. O autor, Richard Flynn, descreve seus dias em Princeton, e documenta sua relação com Joseph Wieder, um renomado psicólogo, pesquisador e professor. Convencido de que o manuscrito completo vai revelar quem assassinou Wieder em sua casa, em 1987 — um crime noticiado em todos os jornais mas que jamais foi solucionado —, Peter Katz vê aí sua chance de fechar um negócio de um milhão de dólares com uma grande editora. O único inconveniente: quando Peter vai atrás de Richard, ele o encontra à beira da morte num leito de hospital, inconsciente, e ninguém mais sabe onde está o restante do original. Determinado a ir até o fim neste projeto, Peter contrata um repórter investigativo para desenterrar o caso e reconstituir o crime. Mas o que ele desenterra é um jogo de espelhos, uma teia de verdades e mentiras, e uma trama mais complexa e elaborada que a do primeiro lugar na lista de mais vendidos dos livros de ficção.


Peter Katz é um agente literário, morador da cidade de Nova Iorque, que em mais um dia comum de trabalho, recebe o inusitado manuscrito denominado “O livro dos espelhos”, assinado por Richard Flynn. Ao que tudo indica, esse parece não ser apenas mais um livro, mas promete a revelação de um misterioso crime ocorrido há anos, contra o renomado professor Wieder. No entanto, o autor resolveu que não deixaria as coisas assim tão fáceis, e manda apenas uma parte do que escreveu, prometendo entregar o resto quando Peter entrasse em contato, caso tivesse interesse. O que Katz não esperava, no entanto, é que quando fosse atrás de Richard, o encontrasse em seu leito de morte. Sem qualquer vislumbre de conseguir o restante do manuscrito, mas movido pelo pingo de esperança que lhe resta, ele contrata um repórter investigativo para, mesmo depois de tanto tempo, desenterrar o caso.

“Acho que, para a maioria das pessoas, crescer significa, infelizmente, adquirir a habilidade de enfiar os sonhos numa caixa, fechá-la a sete chaves e jogá-la no East River. Aparentemente, não fui exceção à regra. ”



A princípio foi um tanto difícil pegar um bom ritmo de leitura. Embora o início já traga questões instigantes, a forma como o autor as insere não suscita totalmente a curiosidade, o que culminou, por tanto, em uma leitura mais lenta durante as primeiras páginas.
O livro dividiu-se em três partes, e essa separação foi bem utilizada por Chirovici, que impediu que as investigações acerca do manuscrito caíssem no marasmo. É narrado em primeira pessoa, sendo o ponto de vista de cada um dos protagonistas dessas três fases, interligando-os dentro do enredo.  A dinâmica de inserir um livro dentro de outro, poderia ter sido melhor aproveitada por Chirovici, principalmente levando em consideração o grande suspense que há ao término do manuscrito recebido por Peter. O que, até aí, poderia ter dado o gás inicial para uma leitura ágil, acabou não tendo o efeito necessário, e apenas na inserção de um terceiro foco narrativo, que de fato as coisas fluíram.
A riqueza nas questões sobre a mente humana, foi um ponto importante a favor da história, que me fez fixar os olhos em alguns pontos e simplesmente me entregar aos mistérios que rondam nossos pensamentos. É difícil não se interessar pelas informações que o autor oferece!

“Nossa memória não é uma filmadora que grava tudo o que se passa diante da lente, Richard. É mais como um roteirista e um diretor, os dois ao mesmo tempo, que criam seus filmes a partir de fragmentos da realidade. ”

Quanto aos personagens, sinto que cada um deles poderia ter sido melhor trabalhado, e embora muito tenha sido explicado no desfecho, grandes coisas envolvendo suas personalidades, não me convenceram. Sou uma grande fã desse gênero literário, e mesmo que tenha tido problemas com alguns pontos, gostei de como as coisas se encaminharam para o fim, e como certos aspectos foram bem trabalhados. Temos em O livro dos espelhos, uma boa premissa e um enredo também bom, na qual o autor possui uma escrita agradável, mas que ao final, notamos que ele não soube aproveitar esses fatores, fazendo com que o conjunto, por vezes, fosse apenas mediano. Continuo, no entanto, recomendando a leitura justamente pelas reflexões que Chirovici nos leva a ter acerca da mente humana, assim como pelas nuances muito positivas em alguns dos personagens, em especial aqueles que possuem foco narrativo.




14 Comentários

  1. Olá!
    Também sou grande fã de literatura policial e aprendi uma coisa , nem sempre nos convence e acho isso até legal, parece fazer parte da trama entende?
    Parabéns pela resenha! bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? É realmente uma pena que o livro não seja completamente bom, pois a trama parece ser bem envolvente. Adorei tua resenha, talvez leia a obra algum dia!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Adorei a resenha. Não conhecia essa obra e como fã de suspense e livros policiais vou anotar a dica.
    Espero me conectar com a trama.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Eu li esse livro faz alguns meses e gostei muito da leitura, esse é o meu gênero literário preferido e achei a trama muito intrigante e me prendeu até o final da leitura.

    ResponderExcluir
  5. Oi Aline, é sempre complicado chegar ao final de uma leitura e sentir que não ficou convencida com a história. Não li ainda este livro, mas quero ler, até para conhecer melhor a trama.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  6. Gostei demais da sua resenha e sua opinião sincera no final. É interessante que alguns autores deixem algumas questões passarem, mas como não acredito em acasos, penso que talvez não seja o momento de se alongar em algumas questões. O bacana das suas considerações foi se prender aos pontos positivos e nas reflexões que a obra proporciona.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  7. Oi Aline,
    Que pena você não ter gostado tanto assim da leitura, quando um livro começa a se tornar lento realmente desanima um pouco, também achava que essa história de inserir um livro dentro do outro ia deixar mais dinâmico porém parece que não. Infelizmente não curti muito.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá Aline, eu não conhecia esse livro e apesar de você comentar que o autor deixou de aproveitar alguns momentos para deixar o enredo melhor fiquei bem curiosa para lê-lo *-*

    ResponderExcluir
  9. Olá...já tem um tempo que estou curiosa pra conferir esse livro. Curti a resenha, parabéns!

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Oi, Aline!
    Não conhecia o livro e parece bom, mesmo com os pontos que você salientou como o ritmo mais lendo e a questão dos personagens que poderiam ser mais trabalhados

    ResponderExcluir
  11. Oi, Aline! Sou apaixonada por essa capa haha, e a história parece ser muito interessante. Eu também gosto muito do gênero romance policial e fiquei bastante intrigada com esse manuscrito. Sua resenha está ótima e espero conferir essa obra um dia, bjss!

    ResponderExcluir
  12. Oiii!

    Que bacana que é uma obra que mesmo com alguns problemas, não deixou de ser uma leitura agradavel. Confesso que mesmo não sendo muito fã do estilo, fiquei curiosa.

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  13. Oiii!

    Que bacana que é uma obra que mesmo com alguns problemas, não deixou de ser uma leitura agradavel. Confesso que mesmo não sendo muito fã do estilo, fiquei curiosa.

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  14. Olá,

    O marketing da editora em cima desse livro foi bem pesado. Quando começaram a sair às resenhas, confesso que fiquei um pouco decepcionado, porque tem uma premissa muito boa, saber que o autor perdeu a mão em alguns momentos me desanima.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir