Título: Diário De uma Escrava
Autora: Rô Mierling
Ano: 2016
Editora: DarkSideBooks
Gênero: Suspense, Mistério, Terror ( Literatura Brasileira)
Número de páginas: 240
Skoob: Adicione
Compre : Amazon
Cortesia: Livro cedido em parceria com a DarkSide® #DarkLove.

Sinopse:Laura é uma menina sequestrada e jogada no fundo de um buraco por alguém que todos imaginavam ser um bom homem. Ela vê sua vida mudar da noite para o dia, e passa a descrever com detalhes sinistros e íntimos cada dia, cada ato, cada dor que o sequestro e o aprisionamento lhe fazem passar. Estevão é homem casado, trabalhador, pai de família, mas que guarda em seu íntimo uma personalidade psicopata. Ele percorre ruas e cidades se apossando da vida de meninas ainda muito jovens, pois dentro de si uma voz afirma que é dele que elas precisam. Mergulhando fundo nessa fantasia, ele destrói vidas, famílias e sonhos, deixando atrás de si um rastro de dor e morte.
Narrado em parte em forma de diário, o livro acompanha mais de quatro anos da vida de Laura em um buraco embaixo da terra, período em que algo dentro dela também se modifica de uma forma inimaginável em busca da única maneira para sobreviver. Publicado originalmente na plataforma digital Wattpad, onde já teve mais de um milhão e meio de leituras, DIÁRIO DE UMA ESCRAVA apresenta um retrato duro, cruel, abominável, mas infelizmente corriqueiro no Brasil e em todo o mundo.
Através de Laura, raptada ainda adolescente por um homem que ela chama de “Ogro”, a autora denuncia os diversos tipos de violência que muitas mulheres são obrigadas a suportar em silêncio e nas sombras da sociedade. O “Ogro”, um homem aparentemente comum, honesto e “acima de qualquer suspeita”, mantém Laura presa em uma casa afastada, onde abusa dela sexual e mentalmente, alegando ser ela o seu verdadeiro amor. Laura, compreensivelmente, só pensa em escapar dali. Mas agora ele parece estar mudando. Será que é o melhor momento mesmo para fugir?... Bem, isso você vai ter que ler para descobrir.





“Um poço de tortura física e mental.”

Diário de Uma Escrava de Rô Mierling é mais um lançamento nacional da caveirinha, e como sempre a caveira não erra a mão, iremos ter um suspense com um assunto forte e cenas horripilantes, sim, para mim uma cena de estupro sempre será uma coisa horrenda, odiosa. Então imagina como fiquei assustada com a violência das cenas. É puro terror. E nesta trama iremos conhecer meninas que serão brutalmente violentadas por um doente monstruoso. Cada caso que irá revelando-se, você vai identificando e pensando, já vi isto em algum lugar e isso é assombroso, pois não deveríamos ter lembranças de coisas tão horríveis, isto não era nem para existir, mas sabemos que sim, várias meninas são sequestradas, violentadas e assassinadas no Brasil e no mundo.


“Já fazia mais de três anos que eu não via a luz do sol.”

Em o Diário de Uma Escrava iremos acompanhar Laura a partir do seu 1.728 dias de cativeiro, ela está quase 4 anos na mão do seu sequestrador, sendo estuprada, agredida fisicamente e psicologicamente diariamente por um homem que ela chama de Ogro. Ela vive em um buraco asqueroso, úmido, sujo e fedido. Onde faz suas necessidades em um balde. Neste buraco que hoje é seu quarto, ela vive seus tormentos e também lembranças de uma vida feliz. Laura tinha 15 anos quando foi raptada, ela tinha uma família que a amava, amigos, namorado, escola e igreja. Tinha seu próprio quarto, bem confortável. Tinha uma vida. E veio alguém e arrancou tudo dela, simplesmente por maldade e para satisfizer suas vontades doentias. Ogro é um psicopata, assassino, pedófilo, ele gosta de meninas, e quanto mais nova melhor. Mas Laura é forte e foi a mais resistente na mão do Ogro. E ele gosta disso, e diz nutrir um sentimento por Laura, em vários momentos após machuca- lá ele diz que a ama.

“Estou amarrada em uma cadeira. Já senti tanta dor que nem sei mais se tenho todas as partes do corpo”

Laura já está tanto tempo sob maus tratos que está fraca fisicamente e mentalmente, tem horas que ela se perde em devaneios. Mas a lucidez volta e a vontade de fugir reanima em seu intimo, mas logo cai por algo abaixo, Ogro é esperto, forte e a manipula o tempo todo a esperança de Laura voltar para casa, sempre dizendo que ninguém a quer mais, já se passaram muito tempo. E isso acaba a atingindo, pois a vergonha de tudo que passou a domina, o medo do julgamento, das perguntas. Laura se sente suja e impura e esquece que é só mais uma vítima deste monstro.

Além da narração em primeira pessoa por Laura, teremos também alguns capítulos em terceira pessoa onde iremos conhecer os pais de Laura e um pouco da vida dela e outros personagens, também iremos conhecer um pouco da vida de Ogro, e veremos que Ogro não é Ogro para todos, quem o conhece nem imagina o homem repugnante que é. Ainda nesta narração encontraremos outras vítimas e suas histórias e achei muito interessante como a autora conduziu o enredo. Pois tem um momento que gostei muito, onde conseguimos visualizar como realmente um personagem está, através dos olhos de outro narrador, sendo que Laura não é a mais confiável para falar de sua aparência ou do Ogro. Então foi uma opção muito boa da autora este jogo de linguagens.


A leitura é rápida mesmo com tantas cenas pesadas, a linguagem é simples. Diálogos curtos e precisos. A autora é objetiva, joga tudo na sua cara, sem rodeios. Você recebe uma enxurrada de violência. Talvez isso possa chocar alguns leitores, pois sim, não é brincadeira, teremos muitas cenas de estupro e agressão física, mas sem se tornar repetitivo, pois cada vitima é uma vítima. E você consegue diferenciar no comportamento e reação de cada uma.

“Eu ainda me lembro do sofrimento intenso e cruel que senti quando me vi dentro do buraco pela primeira vez. Gritei tanto que minha garganta se rasgou por dentro e um gosto estranho de sangue veio até meus lábios.”

Um romance brutal, real e cruel. E que dói mais por sabermos que tudo isto é verídico, fez, faz parte da realidade de muitas meninas, mulheres. E não tem como não mexer conosco, nos indignar, sentimos repulsa e ódio. Sabemos que o número de violência contra mulher e crianças só crescem, principalmente sexual. Basta verificar as noticiais. E é tão absurdo, alarmante, sufocante, ver estes casos se tornando uma notícia corriqueira, algo comum. E Não é normal, e devemos exigir leis mais severas e mais preocupação por parte das autoridades e a sociedade em geral nestes crimes. Assim que terminei o livro entrei no site de cadastro de crianças e adolescentes desaparecidos e senti um aperto enorme no peito. Só em olhar para cada rosto daquelas crianças e não saber o que estão passando neste momento.

Com certeza depois desta leitura você irá se policiar mais. Terá mais empatia pelo próximo. Pois não estamos seguras. Vejo este livro como um alerta, um grito de socorro e uma leitura para sair da zona do conforto e ver que o mundo não é só flores, que sua vida pode até estar bonita, mas muitas outras estão vivendo o inferno.

Livro curto, leitura fluida, com uma temática séria e forte. Onde nos mostrará várias vidas sendo roubadas, mas algumas com esperança de seguir em frente. Trama envolvente; só larguei quando finalizei, e o final não é nada do que você imagina, ele seguirá outro caminho que ficou bem interessante para fechar um livro de suspense/terror. São momentos tensos. Voe pelo Diário de Uma Escrava e presencie o horror, e o demônio é um ser “normal”, que trabalha, dorme, come, conversa... e etc.

"Sou só mais uma esquecida"

A edição é linda, amei demais esta capa e todas as ilustrações, gosto muito de borboletas, toda a liberdade que elas nos passam com sua leveza e beleza. A Borboleta acaba se tornando uma linda e triste metáfora nesta história (Amei o Prólogo), e que achei criativa e gostei muito. Além de uma boa diagramação, revisão, teremos também notas no final do livro, mostrando alguns casos reais e algumas fontes de pesquisas utilizadas pela autora. É um livro baseado em fatos reais, mas continua sendo um livro de ficção, com personagens criados pela autora, onde ela pode dar o destino que quiser, tenham isso em mente ao lerem. Em vários momentos ficava pensando como a autora foi "ousada" e corajosa em escrever sobre um tema tão difícil,e se para o leitor é agoniante ler as cenas de sofrimento das personagens, imagina para autora criar estes momentos e principalmente dar vida a um personagem tão odioso como o Ogro: "Ele já tinha visto anjos antes, já tinha até devorado alguns, mas nunca um como aquele. Ele ficou olhando por um longo tempo e soube, com a maior certeza de sua vida, que tinha que possuir Laura para sempre."

Então fica a dica de hoje de uma leitura para sair completamente da sua zona de conforto e que vai te fazer sentir várias sensações, desde pena a repulsa, indignação. Mas também te deixará mais alerta. 
Boas leituras e até a próxima. :)

“Acredito fielmente que escravos e prisões não se fazem somente com paredes, grades ou algemas, mas também com simples palavras e situações. O poder que ele tem sobre mim é incalculável,”










19 Comentários

  1. Oi Aninha,
    Menina, você arrasou na resenha, finalmente encontrei um pessoa que sentiu o mesmo que eu durante a leitura. Durante toda a leitura, eu me senti impactado pelo horror da realidade e me surpreendi muito com aquele final, muito bom!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, essa foi a primeira resenha positiva que li a respeito desse livro!
    Já estava desistindo dele, mas acho que vou prestar mais atenção e o lerei para ter minha própria opinião. Parabéns pela resenha!
    Bjss e Feliz Ano Novo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou aquela teimosa que não liga para resenha negativa. Aprendi nestes anos de leituras que o mesmo livro sempre será lido com um novo olhar por cada leitor, são experiências diferentes, não dá para decidir se gosta ou não baseado na opinião de outra pessoa. Tem livros que não suporto e é favorito de várias pessoas. É assim mesmo, cada livro vai chegar a um leitor de uma forma diferente. Espero que possa ler e tirar suas próprias conclusões. :)

      Excluir
  3. Oi, Ana, tudo bem?

    Soube da publicação da Rô e, por mais que me interesse pela temática, não sei se teria estômago para suportar a leitura. Fico bastante dividida, mas sei que preciso muito lê-lo. Me lembrou um pouco Um olhar do paraíso, pela narrativa oferecer outros pontos de vista e conhecimentos de outras personagens.
    Espero lê-lo neste ano :)
    Só tem algo que me incomoda: a capa. Não dá pra ler direito o título, a gente tem que se esforçar demais. Ainda assim, é uma capa incrível, como todas da DarkSide <3

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero muito ver este filme, está na minha lista.Quanto ao livro, é aquela leitura para sair da zona de conforto mesmo. Espero que consiga ler um dia. A escrita é simples e ajuda bastante a leitura seguir rápida.
      Realmente o título se mistura com as asas, talvez seja proposital. :)

      Excluir
  4. Oi Ana! Tudo bem?
    Estou super curiosa para ler esse livro, é a terceira resenha que leio e minha curiosidade só aumenta. Adorei sua resenha e pretendo ler em breve! Parabéns pela leitura e pela resenha! Bjo

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana, estou doida por este livro e tenho acompanhado as resenhas dele e ficado cada dia mais ansiosa por ele. Sei que o enredo vai mexer comigo, ainda mais quando lembrar que pode estar acontecendo os fato no momento, na vida real, as é um enredo que me interessa.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Por alguma razão, eu e Nina, temos uma sincronia, gostamos das mesmas coisas. Esse livro me lembrou muito um olhar do paraíso, em que tem um vilão que me assustou demais. Não posso vê-lo em outro filme, que me assusta. Bom filme, esse livro também.

    ResponderExcluir
  7. Recebi o convite da editora para me inscrever para concorrer entre os blogs que seriam selecionados na campanha desse livro, mas não me inscrevi pq não é o tipo de leitura que me agrade nem me faz bem. Entendo a importância de ter consciência de que existe e que precisa ser combatido etc, mas não dá para mim. Gosto de ler para fugir um pouco dessa realidade louca que vivemos, então prefiro não ler esse tipo de livro.
    Mas realmente a edição ficou linda, suas fotos estão perfeitas e foi o máximo conferir suas impressões.
    Beijos e feliz ano novo!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá, justamente por lidar com a parte real deste tipo de tema, em notícias jornalísticas, confesso que não sei se conseguiria mergulhar nesta história. Pela sua descrição, não há como manter o distanciamento de sentimentos tão fortes, seja a dor, o desespero, a repugnância, o medo... Reconhecendo o mérito, deixarei passar neste momento. Parabéns pelo texto. Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Essa foi a resenha mais positiva que li sobre esse livro tão pesado que eu fico no "boto não boto" na minha lista de leituras ai fico lendo as resenhas para vê se alguém me convence e me deixa segura de que vou ler e não vou surtar kkk A proposito, a citação que você usou para fechar a resenha é uma verdade poderosa, há coisas que prendem mais do que grades, como ideias, situações, emoções, medos a gente nunca sabe o quanto uma pessoa pode aprisionar outra! Há mulheres que morrem de apanhar de maridos violentos e nunca os deixam, pq será que elas fazem isso se não há uma grade que as prende? Sim, vc me fez pensar com sua resenha! Adorei!

    #DoQueEuLeio

    ResponderExcluir
  10. Olá, o livro tem um tema bastante pesado, mas isso não tira a beleza do trabalho feito pela autora. Que buscou trazer a vida real em suas página,s o tema é pesado, mas porque fugir da realidade?

    ResponderExcluir
  11. Que livro surpreendente, de uma base de realidade muito grande pela maneira que Voce colocou no seu post. Embora não seja meu gênero de leitura recomendaria este livro ate mesmo para estudo de sociologia. Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá, Ana Lícia.
    Não sei se tenho estômago para ler esse livro, por tudo que a Laura passa e principalmente por saber que isso acontece na vida é real. É muito doloroso.
    O projeto gráfico ficou lindo demais! Como sempre, a editora impressionou.


    Blog Minhas Impressões
    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Ola.
    Js li um livro que tem uma cena de estupro e é terrivel. Da odio. E fiquei bem curiosa pelo livro da RÔ mas confesso que nao sei se conseguiria ler. Achei a premissa boa. Mas muito pesado, embora retrate a realidade triste.
    Sua resenha ficou maravilhosa.

    ResponderExcluir
  14. Eu não curto muito os livros da Dark pois eu não leio terror - daquele de monstros e tal como é a maioria dos livros da editora. Mas esse eu estou curiosa a um bom tempo, mesmo antes da editora lançar, então ele está na minha lista. Acredito que deve ser uma leitura um tanto que pesada e aterrorizante, ainda mais por fazer a gente lembrar que tantas mulheres já passaram por algo assim (ou bem próximo) e que infelizmente muitas ainda vão passar...
    E que bom que a autora colocou o 'Ogro' dessa forma... Pois muitos acham que monstros como ele são mau encarados ou odiado por todos, mas existem muito mais do que possamos imaginar pessoas que se dão muito bem e que aparentam ser até exemplos e que escondem muito bem sua psicopatia....
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  15. Ana, como vai?

    Estou louca por esse livro. Não só pela edição mais que perfeita da DarkSide, até porque isso é característica da editora. Mas por conta do conteúdo mesmo, pela força da história, pela crueza e verdade que ela tem. Depois da sua resenha, a vontade aumentou. Espero ler em breve.

    Beijo,
    Leitora Inquieta

    ResponderExcluir
  16. Ah não vejo a hora de conhecer a leitura, desejei tanto esse livro e acabei ganhando da própria autora, pois agora virou meu xodó, esse ano ainda começo a leitura.

    Beijos

    Viviana

    ResponderExcluir