Título:  As Vantagens de ser invisível
Autor: Stephen Chbosky
Gênero: Drama, Jovem Adulto,
Ano: 2012
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Rocco Jovens Leitores
Número de páginas: 224
Skoob: Adicione
Compre: Amazon

Sinopse: Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.


“A gente aceita o amor que acha que merece.”

Este livro foi a obra escolhida para o debate do mês de outubro do Clube do Livro-MA.  Peguei sem nenhuma expectativa por saber que ele é o favorito da maioria. A verdade que nunca tive vontade de lê-lo. Mas o bom do clube é isto, você lê livros que nem estava na sua lista, e às vezes é surpreendido.


As Vantagens de Ser Invisível é um romance epistolar. O protagonista narra, conta sua vida através de cartas. E foi uma forma interessante de acompanhar Charlie mesmo que a narração dele não tenha sido 100% agradável. Mas tem o seu valor.

Iremos ler as cartas de Charlie por mais ou menos um ano. Começamos a acompanhar as cartas a partir de 25 de agosto de 1991 até 23 de agosto de 1992. E durante este ano muita coisa vai acontecer. Charlie é um adolescente de 15 anos muito tímido, tem dificuldade para socializar e não têm amigos. Seu único amigo se suicidou, deixando Charlie mais isolado ainda. Mas ele esta começando a escola e mesmo com todas suas dificuldades para participar das aulas ou interagir no colégio, ele fará três amigos muito importantes e que fará toda diferença na sua vida. O seu professor Bill, que irá lhe emprestar ótimos livros. Patrick e Sam, ambos com problemas também. Patrick é gay e tem problemas com o menino com quem se relaciona, pois este não se assume como gay. Sam tenta libertar-se de seu passado e seguir em frente, mas está em um relacionamento ruim. Mas juntos irão formar uma linda amizade que irá acabar fortificando a todos.

“-Ele é minha vida.

-Nunca mais diga uma coisa dessas novamente. Nem mesmo para mim.”

A leitura foi rápida e leve. E mesmo não tendo empatia com Charlie, consegui gostar do livro. É um bom livro, não é o melhor da minha vida. Mas adorei os temas abordados, que levam as varias reflexões e discussões, como homofobia, preconceito, bullying, violência doméstica, consumo de drogas, estupro , abuso sexual e psicológico, pedofilia, depressão, timidez, aborto, auto-estima, problemas familiares. Nem todos os temas foram aprofundados, mas foram colocados de maneira que não dá para ignorar. E uma questão interessante que sempre vemos é, uma pessoa que sofreu algum tipo de trauma no passado, como abuso, maus tratos, pode vir a ser um abusador ou agressor? Ficamos com esta questão também no livro. Pelo menos eu fiquei pensando nisso, e acredito que não seja uma regra.

É um livro que indico para adolescentes (e para um público mais velho), e também traria para sala de aula. Pois traz assuntos pertinentes para esta fase. O medo do novo, aceitação, se juntar a um grupo, ter confiança. Mas o mais importante que além de querer ser aceito pelos outros, é essencial se aceitar, amar- se acima de tudo.

Outro ponto positivo são as referencias a cultura pop como musicas, livros, filmes entre outros. Não conseguir me emocionar no livro, mas no filme rolou umas lágrimas em alguns momentos. Gostei muito da adaptação cinematográfica. Patrick e Sam deram um show a parte.  A trilha sonora é maravilhosa. Super indico o filme também, no meu caso uma obra completou a outra, fazendo gostar de ambas. O que faltou de afinidade no livro; consegui no filme, e o que faltou de mais temas e explicações no filme, tive no livro.

Charlie passará por altos e baixos, talvez você o ache  fraco, ou não, apenas se sensibilize com ele. Mas ele é muito instável, e muito inseguro, e isto acaba o prejudicando mais ainda. Mas sabemos que existem várias pessoas assim, algumas são apenas triste, tímida. E outras carregam fardos, como traumas e a depressão. O autor dará uma explicação para o comportamento do Charlie, e confesso que já esperava por esta explicação, pois durante a leitura fui captando sinais que levavam a este desfecho. É uma explicação possível e viável, pois sabemos que é um assunto bem real. Mas também têm aquelas pessoas que apenas não conseguem mesmo participar e se tornam “invisíveis”, só observam. Eu era assim, um dos meus irmãos também. (Se você não foi o esquisito da sala ou da família, com certeza conheceu um). E vemos coisas, e enxergar demais não é tão bom. Mas quando esta visão pode ajudar o próximo de algum jeito, esta se torna uma das vantagens de ser invisível.


“Eu me sinto infinito”









7 Comentários

  1. Eu não tenho a menor vontade de ler esse livro e nem sei se conseguiria levar a história adiante. embora ele tenha temas importantes - e que na vida a gente sabe que não dá para separar muitos deles - me parece que são temas demais abordados de forma ampla sem focar realmente em um ou outro dele, sabe?
    Depois tem a febre que o livro virou e todos os muitos elogios que ele ganhou - principalmente depois da adaptação e eu meio que fujo de livros muito comentados pois minha opinião é normalmente do contra...rs
    Gostei a sua resenha, talvez se eu tivesse lido ela antes de ter decido não dar uma chance ao livro, quem sabe arriscaria...rs
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  2. Não curti o filme, logo, não tenho a menor vontade de ler esse livro.
    Mas o mais estranho é que um monte de gente acha o livro sensacional!
    Acho que o fato de eu ter visto o filme primeiro é que estragou tudo... rs

    #Ana

    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana que resenha linda!!
    Eu conheço esse livro, óbvio, mas nunca tive a curiosidade de lê-lo justamente por achar que o modo como ele é escrito não iria fluir muito bem para mim.
    Amei os quotes que você destacou... são intensos e verdadeiros.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho curiosidade come sse livro mas não sei bem se vou gostar. A trama parece ser um pouco chatinha mas eu quero ler para saber se vou gostar mesmo ou não.

    ResponderExcluir
  5. Eu amo esse livro, acho mt sensível como o autor aborda temas tão sérios. Charlie é um amor, me emocionei mtt lendo *--*
    Parabéns pela resenha, adorei <3
    Beijos

    Persuasão Literária

    ResponderExcluir
  6. Oiee Ana ^^
    Eu gosto desse livro, mas não 100%, não foi uma leitura que me arrebatou e me encantou totalmente. Não sei se eu tinha expectativas muito altas, ou por que eu vi o filme primeiro, mas acabei não gostando muito :/
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir