Título: Confissões do Crematório
Autora: Caitlin Doughty
Ano: 2016
Editora: DarkSideBooks
Tradução: Regiane Winarski
Número de páginas: 260
Skoob:Adicione
Compre :Amazon
Cortesia: Livro cedido em parceria com a DarkSide® #DarkLove.

Sinopse:Ainda jovem, Caitlin conseguiu emprego em um crematório na Califórnia e aprendeu muito mais do que imaginava barbeando cadáveres e preparando corpos para a incineração. A exposição constante à morte mudou completamente sua forma de encarar a vida e a levou a escrever um livro diferente de tudo o que você já leu sobre o assunto.Confissões do Crematório reúne histórias reais do dia a dia de uma casa funerária, inúmeras curiosidades e fatos históricos, mitológicos e filosóficos. Tudo, é claro, com uma boa dose de humor. Enquanto varre as cinzas das máquinas de incineração ou explica com o que um crânio em chamas se parece, ela desmistifica a morte para si e para seus leitores.
O livro de Caitlin – criadora da websérie Ask a Mortician – levanta a cortina preta que nos separa dos bastidores dos funerais e nos faz refletir sobre a vida e a morte de maneira honesta, inteligente e despretensiosa – exatamente como deve ser. Como a autora ressalta na nota que abre o livro, “a ignorância não é uma bênção, é apenas uma forma profunda de terror”.

Um Livro Para Quem Planeja Morrer Um Dia.

Hoje iremos conversar sobre o primeiro livro de não ficção do selo DarkLove da  Editora DarkSide Books. Confissões do Crematório de Caitlin Doughty. Caitlin tem um canal no you tube chamado Ask A Mortician (Acesse Aqui).



Neste livro iremos conhecer a rotina de Caitlin no seu trabalho em uma agência funerária chamada Westwind Cremation & Burial. No seu primeiro dia ela terá logo uma experiência peculiar, irá barbear um cadáver. Assim entramos no ramo da indústria da morte e suas particularidades, e conheceremos mais a fundo, como que esta indústria funciona e é vista pela sociedade. E como quem faz parte da funerária encara as situações diárias com familiares e os próprios cadáveres.

“Quando você começa uma nova parte da vida, pensa que está deixando a antiga para trás.”

O relacionamento de Caitlin com a morte começou desde pequena, ela se considerava um pouco mórbida pela sua curiosidade.  Ela teve sua iniciação com a morte como a maioria das crianças, através de desenhos e filmes, e com seu bichinho de estimação, no caso dela, um peixinho.  (No meu caso, um lindo cachorro que atendia por Beethoven, que se foi tragicamente depois de ser picado por uma cobra, e passar alguns dias sofrendo, foram os piores dias da minha vida. Nunca mais tive um cachorro.)


Uma das coisas que Caitlin nos coloca a pensar é , quando começamos a ter contato com a morte, quando foi que percebemos que iremos morrer? Com ela foi aos oito anos de idade em um shopping Center quando presencia uma garotinha caindo de uma escada rolante de uma altura de dez metros, o baque da queda ficou na cabeça de Caitlin por muito tempo. Foi assim que Caitlin entendeu que um dia iria morrer. Que todos iriam morrer. E como conviver com isso. Parece sem sentido ou sem importância. Mas vamos nos deparar com uma realidade imaginável, conheceremos outro modo de ver a morte. A maioria das pessoas não gostam de falar da morte, ainda é um tabu. Sendo que é um ciclo natural, faz parte da vida. Se todos vamos morrer um dia porque não falar sobre o assunto. Assim Confissões do Crematório se torna uma leitura muito interessante e inusitada, pois vamos falar sobre morte abertamente; de forma clara, objetiva e divertida. 

“Aceitar a morte não quer dizer que você não vai ficar arrasado quando alguém que você ama morrer. Quer dizer que você vai ser capaz de se concentrar na sua dor, sem o peso de questões existenciais maiores como “Por que as pessoas morrem?”e “Porque isso está acontecendo comigo?”

Conheceremos as várias faces e fases que um corpo passa neste processo de morte até a cremação, todo o cuidado, e o comportamento de cada familiar. Veremos como cada cultura cuida do seu cadáver de uma maneira, culturas distintas, rituais diferentes. Percebemos como a morte é encarada de várias formas, dependendo do que o individuo acredita.

Também veremos sobre embalsamento, decomposição, e um pouco da história da idade média, que nos leva a bruxas e bebês, e como eram tratadas algumas situações, que em seguida nos levará a cremação dos pequenos (bebês). Toda a bagagem, conteúdo colocado no livro, o tornou muito prazeroso de ler. Pois a cada capítulo aprendermos algo novo sobre vida e morte. E a autora vai além, nos faz mergulhar no passado e depois nos mostra o presente, o que mudou e o que continua igual.


Confissões do Crematório foi uma leitura que me surpreendeu em vários momentos. Quando eu estava me desinteressando em alguma parte, Caitlin me trazia de volta com uma frase de efeito que me fazia refletir. Em vários momentos fui puxada de volta para rotina de Caitlin quando me perdia. E isto foi muito bom, e mostra como o poder de escrita pode ser poderoso. Se fosse um livro somente sobre seu cotidiano, sem trazer uma pesquisa, fatos relevantes, com certeza teria sido uma leitura bem enfadonha. Mas tédio passa longe desta obra.

Confesso que mesmo não se tornando uma das minhas melhores leituras do ano, aprendi muito com Caitlin. Consigo ver a morte com mais naturalidade. Pois é uma coisa provável, é a única certeza que temos na vida. Então por que não falarmos nisso? Por que é um tabu? Claro que temos medo de deixar de existir. Eu tenho, e muito. Mas não somos nós que comandamos então a melhor maneira de conviver com isto, é tratando como algo normal, que um dia vai chegar. Então seja gentil, amigo, amoroso. Ame. Viva. Pois a morte é certa e o resto é passageiro. E lembre-se: “... somos animais glorificados que comem, cagam e estão fadados a morrer. Não somos nada mais que futuros cadáveres.”


Além de trazer um tema sério, com morbidez, e humor. Também traz várias reflexões que contribuiu muito para meu modo de ver a vida, e encarar algumas situações. Também teremos referências muito boas relacionados a livros, filmes e teóricos. Uma leitura agradável e cheia de lições para toda a vida.

Edição com capa dura, folha de guarda ilustrada, folhas amarelas e fonte no tamanho agradável. Vem com o marcador de fitinha cetim e uma carta. Imagens a seguir. 
Boas leituras e até mais. :)

"A morte não está acontecendo com você. Está acontecendo com todo mundo."







17 Comentários

  1. Oie.

    Tinha visto esse livro, mas não sabia muito sobre ele. Parece ser uma leitura bem interessante... Sabendo que é da DarkSide, eu já amo o livro em si, veremos quanto a história quando eu tiver a chance de lêr.

    ResponderExcluir
  2. Olá!!

    Eu estava com receio desse livro e estava mesmo querendo uma resenha para elucidar algumas dúvidas.
    Gostei, embora seja um tema que pode causa de certo modo um incomodo, pareceu que a autora tratou de forma natural, com humor e cheio de reflexões.
    Vou ler sim!

    bjs
    Fernanda
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Embora não tenha o costume de ler muitas obras do gênero, estou muito curiosa para ler essa.
    Isso porque é uma trama bem inusitada e intrigante que me deixou com bastante vontade de conferir, principalmente pela ambientação.
    A autora parece desenvolver a trama de forma natural e acredito ser uma leitura interessante.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiii Ana, tudo bem?
    Que coisa mais linda essa resenha, fiquei encantada com essa obra, a edição está um arraso e sei que o tema abordado irei me conquistar. Parabéns pela resenha.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Olá
    uma das certezas da vida é a morte! Todo mundo sabe disso e se diz que não sabe mente. É um fato, mas nem por isso a morte é fácil de aceitar e até mesmo conversar, esse livro deve ser ótimo pra quem quer falar sobre o assunto porém não tem com quem, gostei da resenha e os livros da DarkSide tem sempre um cuidado extra com o leitor!
    Parabéns pela resenha, abraços

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não sabia que o livro não era ficção. Fiquei ainda mais interessada depois de saber.
    Acredito que seja uma leitura interessante e, apesar da morbidez do tema, deve realmente nos causar muitas reflexões.
    Com certeza pretendo ler.
    Adorei a resenha.
    Beijos.

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Faz um tempo q não tenho visto com atenção os lançamentos da Darkside então só vi esse lançamento por cima e achei a capa bonita, não fazia ideia de que se tratava de fatos reais, experiências vividas pela autora. Enfim... Fiquei bem curiosa, pois como ela tenho tendência a morbidez desde mt jovem e gostaria de saber se ela pensa como eu sobre a morte.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  8. Um tema bem tenso para mim, mas o fato e a forma natural como a autora parece lidar com a morte, parece fazer desse livro interessante para uma leitura. Não sei se para mim seria tão prazeroso, mas curioso, talvez. Acho seria uma leitura útil para eu abrir meu campo de visão. Gostei muito da dica.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana, tudo bem?
    Primeiramente, que edição maravilhosa essa, hein?! Coisa mais linda, gente!
    Bem, confesso que meu encantamento por esse livro termina aí... não sei se leria, viu?! Acho mórbido demais pra mim.
    Eu sou do tipo que perde o sono se ler algo desse tipo. Nem consigo imaginar como a autora conseguiu lidar com esse trabalho desde o início.
    Concordo que ela parece levantar questões interessantes sobre a morte, mas isso não é o suficiente pra me dar coragem de ler ahaha.

    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Amanda
    http://www.confissoesfemininas.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá,

    Começo já elogiando sua resenha e essa edição, a Darkside como sempre se superando. Mesmo que a capa tenha me chamado a atenção, ao ler sua resenha percebi que esse livro não faz meu estilo. Achei a história muito mórbida e um pouco assustadora, confesso. E como costumo ler a noite, antes de dormir, não acho que seria uma experiência agradável :/

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Olá!

    Esse livro tem uma linda capa!! Darkside só faz se for pra mitar! Morte é um assunto que eu não gosto muito de falar, mas é inevitável, vamos fazer o quê. De todos modos, um livro com essa pegada foge muito do comum, do que o mercado tem. Gostei bastante.

    ResponderExcluir
  12. Oiii!!

    Que amor de resenha! Gostei bastante de saber que há um enredo que apesar de tenso, foi bem trabalhado com humor e morbidez. Gostei disso.
    A darkside é maravilhosa!!! Adorei a edição.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Oi Ana,
    Acho a cada desse livro linda! Com toda essa cor vibrante. Acho muito legal a ideia principal do livro, quem nunca teve tais pensamentos referente a morte. O fato da autora conseguir deixar o assunto de maneira mais leve, foi o que me chamou a atenção, mas não leria no momento. Quem sabe mais à frente.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  14. Ola Ana lindona cada edição da editora me deixa suspirando de admiração menina, a premissa em si do livro não me chama muito atenção, mas confesso que compraria pela capa hehe, acredito que as histórias sejam interessantes para quem viveu e acompanhou muitos relatos. Quem sabe em outro momento eu leia. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Menina que edição linda é essa?
    Gostei bastante da sua resenha, mas tenho que te dizer, esse livro não serve para mim não hahaha

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, relaxa, já conheço sua fama de medrosa. Mas um dia ei de ver você lendo algo mais "sombrio", tenso. Vamos sair da zona de conforto, mulher. <3

      Excluir
  16. Comprei por causa da capa! Não me arrependi.

    ResponderExcluir