Título: Blue Valentine
Título Brasil: Namorados Para Sempre
Ano: 2010
Direção: Derek Cianfrance
Duração: 1h 14min
Gênero: Drama, romance
Nacionalidade: Estados Unidos
Assistido:YouTube


Sinopse:Um retrato íntimo de um relacionamento que está em franca desintegração. Com um romance outrora cheio de paixão, Cindy (Michelle Williams) e Dean (Ryan Gosling) são casados e têm uma filha de cinco anos. Na esperança de salvar seu casamento eles reservam um quarto no motel, relembrando anos atrás quando se conheceram, se apaixonaram e fizeram seus primeiros planos cheios de vida e esperança. (fonte: Filmow).



Eu sempre gostei de filmes polêmicos. Para ser bem sincera, estes são o meu tipo preferido. Aqueles que “tocam na ferida”, e que jogam a verdade “nua e crua” na cara, não se importando com o impacto dessas verdades na vida de seus telespectadores. Isso que fez Blue Valentine entrar de vez na lista dos meus filmes preferidos da vida. Este não é um filme de romance bonitinho com um final feliz, pelo contrário. É uma narrativa crua, de certa forma bastante cruel,e uma crítica muito bem articulada sobre relacionamento conjugal. E o quanto este relacionamento com o tempo, pode acabar se tornando um fardo.


Na trama, acompanhamos o casamento da Cindy e do Dean, alternando entre o passado (como era a vida dos personagens antes de se conhecerem, e como se deu o início o relacionamento) e o presente (mostrando como está o casamento e como ele vai se aproximando do fim). Ela é enfermeira e ele não tem emprego fixo - nem sente vontade de ter - e vive fazendo “bicos” como pintor. Eles têm uma filha de 5 anos e uma casa simples, porém confortável. Até aí parece uma história bastante monótona e comum; mas à medida que vamos sendo apresentados à vida e intimidade do casal, vamos percebendo o quão problemático, patológico e desgastante o casamento se tornou.

Uma das coisas que mais me chamou atenção é que tudo isso é um plano de fundo para uma crítica pesada aos relacionamentos do séc. XXI. E o quanto o imediatismo, precipitação e imposição (características marcantes deste século) tem um grande impacto nas inúmeras relações que estabelecemos ao longo da vida.Tudo neste filme é bem feito: a direção, o roteiro (que apresenta diálogos interessantíssimos), fotografia, trilha sonora e ATUAÇÕES. Sim, em caixa alta mesmo. Porque as atuações do Ryan e principalmente da Michelle estão absurdamente incríveis. Ambos conseguiram dar profundidade e singularidade aos personagens. Nas cenas do passado, a Michelle consegue mostrar autenticidade e leveza à Cindy, e quando voltamos ao presente, ela consegue mostrar todo o fardo que está carregando, simplesmente no olhar. Algumas cenas nem tem tanta fala, mas, pela postura corporal e o modo como ela olha para o Dean, percebemos o quanto ela está cansada de tudo. E gente, são poucos atores que conseguem demostrar os sentimentos de seus personagens de uma maneira tão minimalista.


Falando na Cindy, vamos à polêmica.....

Vendo críticas sobre o filme, comentários, e conversando com as pessoas, cheguei à conclusão de que 99% culpam a Cindy pelo fim do casamento. Eu faço o papel do “advogado do diabo” porque ao meu ver, ela é tão vítima da situação quanto o Dean.

Agora lanço algumas perguntas para vocês: será que somos culpados por deixar de amar, ou nutrir qualquer tipo de sentimento por alguém? Será que é errado o amor se transformar? Será que é errado a gente ter ambições na vida, e lutar para conseguir? Será que é errado a gente querer crescer na vida e não ficar estagnado na rotina? No “mais do mesmo”?

Acho que não. 

É por isso que eu gosto dela (na verdade, ela é a minha personagem preferida), pois mostra que o amor é mutável. Que NÓS somos mutáveis. E que estamos propensos a isso o tempo todo, e não tem nada de errado. Outro ponto importante a se destacar é que ela enfrenta tripla jornada, pois trabalha no hospital, quando chega tem que arrumar a casa, e cuidar da filha, enquanto o Dean fica de boas fumando uns cigarros e bebendo cerveja. Isso é justo?


Quem ainda não assistiu, convido a assistir. É um belo filme, com uma ótima reflexão e um roteiro muito inteligente. O que mais impressiona é que o orçamento o filme foi de apenas 1 milhão. Para nós, meros mortais, é muito dinheiro.Mas para uma produção cinematográfica é pouco, gente. Muito pouco.  Ah, não posso me esquecer de falar a trilha sonora !! Ela é toda produzida pela banda estadunidense GrizzlyBear. Tem uma pegada obscura, mórbida, mas muito boa. Os caras são talentosíssimos e fazem música de primeira. O destaque fica para a música Shift,que toca no final do filme e casa perfeitamente com as cenas mostradas.


Enfim, gente. Espero que tenham gostado da dica. Até a próxima :)














14 Comentários

  1. Como me revolta uma situação dessas, quando uma pessoa se aproveita da outra, vivendo as suas custas sem fazer nada da vida... Não vi o filme, mas imagino que ela soubesse que ele era assim. Talvez esperasse que ele fosse mudar com o tempo ou talvez ela nao se importasse de sustentá-lo no início do relacionamento, talvez a paixão tenha feito com que ela ignorasse os defeitos dele, mas então tudo começou a cansar. Por isso acredito que o casamento tem que ser uma decisão muito bem pensada e o amor precisa ser cultivado a cada dia com palavras e atitudes.
    Esse seria um daqueles filmes que eu veria se ele estivesse passando na tv num dia que eu estivesse de bobeira, mas não me animei para procurá-lo agora mesmo e ir assistir. Rs
    Beijos,
    sigolendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Isabela:)

      Concordo com você quando fala que o casamento tem que ser uma decisão muito bem pensada e o amor precisa ser cultivado a cada dia com palavras e atitudes. Além do amor, outros fatores também são importantes de serem tralhados e construídos pelo casal como: confiança, parceria, respeito mútuo, compreensão... enfim, é importante que qualquer relacionamento seja pautado em um regime de colaboração. E foi justamente essa falta de colaboração que culminou na derrocada do casamento deles :( Espero que algum dia você possa ver o filme, e que aproveite bastante !

      Beijão :)

      Excluir
  2. Na época do lançamento houve bastante burburinho a respeito desse filme, mas deixei passar! Pensei que fosse mais uma comédia romântica. Menina, que tapada eu fui! Adorei sua resenha, mostrou muito bem os pontos fortes e instigantes do filme e agora quero vê-lo também!! =)
    Parabéns, você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá :)

      Obrigada pelo elogio. Eu assisti o filme anos depois do lançamento haha provavelmente se eu fosse pelo título em português - namorados para sempre - eu tbm deixaria passar.

      Beijão

      Excluir
  3. 'Eu sempre gostei de filmes polêmicos. Para ser bem sincera, estes são o meu tipo preferido. Aqueles que “tocam na ferida”, ' você me definiu. Como diz Kafka, tem que ser um soco no crânio.Também não curto esse romantismo pegajoso de livros e filmes, e se não fosse sua resenha, jamais teria conhecido o filme, certamente, pela forma que você apresentou, fiquei no mínimo curiosa. Quero poder acompanhar tudo o que você escrever, gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lilian

      Fico muito feliz que você tenha gostado da resenha. Obrigada pelo elogio, e espero que você goste bastante do filme :)

      Beijão

      Excluir
  4. Eu sinceramente amo esses filmes com gosto de cru, sabe? Como exemplo, os meus preferidos são Marry & Max, A Pequena Loja de Suicidios e O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Mesmo que os dois últimos tenham uma perspectiva mais otimista quanto a vida, ambos trazem uma dose dura de realidade. Certamente anotei tua indicação na minha watchlist, haha. Muito obrigado, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felipe

      Eu tô doida pra assistir Marry & Max. Vi o povo do Pipocando falando super bem dessa animação. Amélie Poulain é um amorzinho de filme, amo demais. Espero que aproveite bastante a indicação :)

      Beijão

      Excluir
  5. Eu não conhecia o filme, mas achei super interessante. Filmes polêmicos nos trazem questionamentos, e depois da sua resenha perfeita (parabéns você escreve super bem), pude perceber que minha opinião será semelhante a sua, se eu ver o filme. Somos sim mutáveis, e dou ponto para quem corre atras do que quer, e isso as vezes pode mudar completamente a nossa vida. Obrigada pela dica, vou anotar para ver assim que possível ;) bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mercia :)

      Fico feliz em saber que você gostou da resenha. Espero que aproveite bastante o filme.

      Beijos :)

      Excluir
  6. Oiiii Geisiane, como vai menina?
    Eu realmente não conhecia o filme e achei um encanto, todo esse romance despertou meu interesse, pelo que percebi o filme traz assuntos polêmicos e isso me atraiu de certa maneira, anotada a dica.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Morgana. Eu tô bem, obrigada por perguntar :)

      Espero que goste do filme !

      Beijoos

      Excluir
  7. Não vi o filme, e na verdade, não lembro de ter ouvido o nome. Apesar do seu elogio, vou confessar que não pretendo ver não.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fabrica :)

      Que pena. Fica pra próxima então

      Beijos !

      Excluir