Olá, leitores.

Hoje trago para vocês um poema feito com frases e palavras extraídas de cartas e e-mails recebidos pela escritora Laurie Halse Anderson sobre seu livro Fale!, com exceção da primeira e da ultima estrofes. Publicado no Brasil pela Editora ValentinaO livro Fale! aborda vários temas importantes, e um deles é o estupro, abusos, transtornos entre outros. Saiba mais na resenha ( Clique Aqui). 

Com os acontecimentos da semana fiquei extremamente triste, pois o estupro faz parte da nossa realidade infelizmente, e temos que lutar para acabar com este ato abominável, começando pelo fim da cultura do estupro, que existe sim, e vemos a todo momento nas redes sociais, no trabalho e até mesmo em casa. Este poema "Escute" é um grito de várias vozes que se calaram, mas que se libertaram através de Fale!. Não podemos nos calar. Não se cale! Fale! Denuncie!




ESCUTE!

Vocês escreveram
De Houston, Brooklyn, Rye, Nova York, Peoria
Los Angeles, Detodasaspartes dos EUA para a minha
Caixa de correio, as minhas páginas no My
Space Face
Book
Um blog de bffs sussurrando
Cemmil murmúrios para mim e Melinda.


Você:
Também fui estuprada
Violentada na sétima série,
No segundo ano, no verão depois da formatura,
Numa festa
Eu tinha 16
Eu tinha 14
Eu tinha 5, e ele fez durante três anos
Eu amava o cara
Nem conhecia o sujeito.
Ele era o irmão da minha melhor amiga,
O meu avô, o meu pai, o companheiro da minha mãe,
O meu namorado
O meu primo
O meu técnico
Eu me encontrei com ele pela primeira vez naquela noite, e –
Quatro caras se revezaram, e –

...Eu fiquei grávida, aí dei a minha filha para adoção...
Isso aconteceu com você, também?
Vc Tb?

Você:
eu não fui estuprada, mas
meu pai bebe, mas
eu detesto falar, mas
meu irmão levou um tiro, mas
eu me sinto excluída, mas
meus pais se separaram, mas
eu não pertenço a nenhuma tribo, mas
a gente perdeu a nossa casa, mas
eu tenho segredos – sete anos deles
e eu me corto
eu e minhas amigas nos cortamos
todas nós nos cortamos cortamos cortamos
para aliviar a dor.

... meu primo de cinco anos foi estuprado – ele está
Começando a demonstrar isso, agora...
Você pensa em cometer suicídio?
Tem vontade de matar o cara?

Você:
Melinda se parece muito com uma garota que eu conheço
Não, ela se parece muito
(comigo)
Sou MelindaSarah
Sou MelindaRogelio sou MelindaMegan,
MelindaAmberMelindaStephenToriPhillipNavdiaTiaraMateoKristtinaBeth
ainda dói, mas
mas
mas
mas
este livro me fez sair da concha
continua a doer, eu estou bolada, mas
o seu livro me fez sair da concha

Você:
Eu chorei quando li a história.
Ri quando a li
É uma idiotice?
Eu me sentei com a menina –
Sabe, aquela menina –
Eu me sentei com ela porque ninguém faz isso no almoço
E eu sou cheerleader, sabe.
Fale! Mudou a minha vida
Me tirou da concha
E fez pensar
Nas festas
Me deu
 Asas  este livro
Abriu a minha boca
Eu sussurrei, eu gritei
Arregacei as mangas eu
Detesto falar mas
estou tentando.


Você fez com que eu me lembrasse de quem sou.
Valeu.

Obs.: A nossa turma vai mergulhar de cabeça neste livro.

Eu:
Eu:
Eu: aos prantos







17 Comentários

  1. Nossa! Esse tema é muito forte mas que precisa ser exposto e discutido. Fiquei chocada, indignada, triste, com raiva, quando soube do caso que aconteceu essa semana. A cultura do estupro existe e há muito tempo, está enraizado no Brasil de uma forma estarrecedora! Esse poema doeu na alma, saber que tantos passam por isso ... Parabéns para a autora que colocou tantos sentimentos em palavras.

    ResponderExcluir
  2. Ana Lícia, caramba!
    Que poema!
    Fico imaginando como é todo o livro...
    O poema é tocante, verdadeiro e quantas mensagens ele deixa.
    Espero que as pessoas que sofrem ou presenciam esse tipo de coisa não se calem.
    Falem!
    Fiquei com vontade de ler o livro.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  3. Oi, que poema impactante!!
    Me mexeu profundamente e com os acontecimentos da semana, eu também fiquei bem triste e com vontade de gritar e protestar contra a cultura do estupro, pois as noticias me deixaram deprimida, e nem preciso citar qual são - qual é, em especial -pois não vale a pena falar do caso, e sim da cultura do estupro no geral e evitar que uma coisa horrorosa como aquela não volta a acontecer nunca mais. Fiquei revoltada, mas espero, que um dia, essa cultura seja extinguida e nós mulheres possamos, enfim, voltar a andar tranquilas aonde quer que estejamos.
    Amei o poema.
    bjus

    ResponderExcluir
  4. Que poema! O livro deve ser impactante, preciso muito ler ele!

    Beijo.
    livrosdawis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. A situação é bem triste e temos que nos posicionar contra essa cultura do estupro que está impregnada na sociedade.
    Já estava programando um post para falar também sobre isso! Não podemos deixar o mundo continuar assim... Ótimo post.

    www.booksever.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu só tenho o marcador desse livro, sempre quis ler uma resenha dele, e o melhor aconteceu, li um poema dele e um forte pra mim, que significa muito, neste exato momento eu estava brigando por causa do estupro coletivo, e o foda é falar disso pra uma pessoa que é altamente machista e possui oa demais preconceitos, e me indigna ver a pessoa falar que não foi estupro, eu estou com tanta raiva e até já chorei! É bom ver a mobilização e repercussão do caso, mas seria melhor se a gente conseguisse mudar essas pessoas!

    ResponderExcluir
  7. Adorei o poema, mesmo se tratando de um tema bem polêmico e forte, é preciso que a sociedade abra os olhos para essa barbaridade que acontece diariamente em nosso país...um caso é comentado na mídia, mas centenas de jovens são estupradas nas ruas todos os anos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Gente que legal, eu nem sabia do que se tratava esse livro!
    Adorei o poema e adorei vc trazer isso para o blog, é muito importante! Tem gente que ainda prefere dizer que a culpa é da vítima e se acomodar com o mal que nos assola...

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
  9. Que poema emocionante! O sentimento de inquietação que temos quando lemos esse tipo de livro é a postura que sempre precisamos ter nesse tipo de situação. Precisamos falar, precisamos ser ouvidos, caso contrário, nada mudará.
    Visite nosso blog de livros, filmes e séries: http://jubadaliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. oi,tudo bem?
    O poema ficou emocionante, e bem profundo. Essas últimas semanas foram difíceis. Ver as pessoas, mais uma vez, culpando a vítima, procurando justificativa para os criminosos. Dói. Dói ser mulher, e não digo apenas no Brasil, porque a coisa é feia no mundo todo.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    O poema mexeu comigo de formas que não consigo nem colocar em palavras para definir. Não conhecia o livro, mas é bem interessante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Esses últimos estão bem difíceis para nós, mulheres. Poema muito triste, mas é a nossa realidade, infelizmente. E, sim, a cultura do estupro existe, não é nenhum mimimi ou invenção.

    eueminhacultura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oiii Ana, tudo bem?
    Que poema assim emocionante realmente mexeu com meus sentimentos, me deu vontade de chorar e acolher todas essas mulheres que sofrem coisas desse tipo. Fabuloso mesmo.
    Beijão

    ResponderExcluir
  14. Oie, tudo bem? Adorei o post Ana, sensacional. Precisamos falar sobre isso e "Fale!" me deixou sem fôlego, emocionada, mexeu muito comigo. Preciso ler o livro agora, fiquei curiosa.

    ResponderExcluir
  15. Nossa, nem imaginava um poema como este! Agora preciso ler este livro, aliás, que divulguem mais o livro Fale!
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Ana!

    Nossa, entendi o sentido do poema, achei muito forte e impactante, mas confesso que não entendi a voz do eu-lírico. Em todo caso, quero muito ler o livro inteiro! Vi a editora divulgando há algumas semanas e fiquei bem animada! Já assisti O silêncio de Melinda e achei bastante angustiante - e acho que mais gente deveria conhecê-lo e assisti-lo! Um debate sobre ele seria ótimo e ainda muito atual nos dias de hoje (infelizmente)!

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Oi Ana, tudo bem? Eu também me chamo Ana, Ana Máximo. Ano passado eu iniciei um projeto que falasse sobre a cultura do estupro. Depois várias pesquisas encontrei esse seu post e me emocionei com o texto. Peguei um trecho de seu texto e criei uma cena, junto ao meu grupo de teatro do colégio. Claro, colocamos seu blog e o link desse texto nos relatórios e documentos para dar os créditos a quem criou.
    Acontece que essa cena se tornou uma peça maior e recebeu um convite para participar de uma Mostra de Teatro em São Paulo e como foi aqui "onde tudo começou" eu gostaria de estar lhe convidando para assistir a peça. Ela acontecerá no dia 21 de Maio, domingo, no teatro do Colégio Santa Cruz.
    Caso se interesse, meu email é contatomaximoana@gmail.com. Aguardo retorno!

    ResponderExcluir