Título: Dias Perfeitos
Autor: Raphael Montes
Ano: 2014
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 280
Skoob: Adicione
Comprado na : Saraiva 


Sinopse: Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional.


Olá, tudo bem?

E vamos falar de um livro que estava muito curiosa para ler. Já havia lido O Vilarejo do autor e amei. Dias Perfeitos foi um livro que despertou vários sentimentos em mim. Principalmente ódio. Sim, muito ódio de um personagem chamado Téo.


Téo é um estudante de Medicina, pacato, mora com a mãe que vive em uma cadeira de rodas e seu cachorro. Logo no inicio do livro percebemos que Téo não é um ser muito "normal", pois tem como amiga e sua confidente, um cadáver chamado Gertrudes. Aí você percebe que ele não bate bem. Mas ok. Vamos mais a fundo. 

Em uma festinha na casa de amigos,Téo conhece Clarice, uma menina bonita,carismática e de bem com a vida. Ela estuda história da arte e está escrevendo um roteiro para seu filme. Nesta festa ela conversa com Téo e lhe dá um selinho sem compromisso. Téo pede seu telefone emprestado para chamar um táxi, mas adivinha o que ele faz. Liga para o próprio celular para ter o número dela. Mas tudo bem, isso não é nada perto do que Téo vai fazer para conquistar Clarice.

A loucura de Téo é tanta, que em nome deste amor que ele diz sentir por Clarice, ele a sequestra e assim começa uma sequência de agressões físicas e psicológicas. E sim, vai acontecer coisas pesadas. Teremos cenas fortes. Téo além de ser meio psicótico, psicopata, sabe lá mais o que. Ele é machista e homofóbico. Tudo de ruim, o Téo tem. Mas o interessante, que as outras pessoas que o conhecem, como a mãe e os próprios pais de Clarice, não desconfiam dele, nem imaginam que ele seria capaz de fazer a metade das coisas horríveis que fez/faz.

Gostei muito de Dias Perfeitos, foi um livro bem sinistro, vê a maldade humana tão de pertinho, pois o livro é narrado em terceira pessoa, focado no personagem Téo. Então estaremos na mente doente dele o tempo todo.

 Achei forte e bem escrito, pois você realmente fica aflito a cada virada de página. E fica muito ansioso para Clarice sair desta situação, e com muita vontade de matar Téo. (Oh céus como eu queria que Clarice se libertasse e desse um tiro na cara dele. Sério.)

Eu estava amando o livro, pelo suspense, o terror psicológico. Mas quando cheguei ao final. Não acreditei no que eu estava lendo. E não me conformo com este final. Só por isso tirei uma estrela. Pois fiquei muito brava. Raphael foi muito malvado comigo, sério. Fez-me sofrer a leitura toda, para quando pensasse que iria dá um viva. Aconteceu aquilo. Foi demais para mim. O que me resta é correr para ler Suicidas. Pois gostei muito da escrita do autor e quero ler mais coisas dele.


Sobre a edição, ela é simples, livro com orelhas, folhas amarelas e letras no tamanho agradável. Fica a dica de um livro forte e perturbador, e que fará você ter várias sensações. E uma delas é repulsa e ódio pelo Téo. Haha. Seja forte!

“Quando criança, passava noites sem dormir, as mãos trêmulas diante dos olhos, tentando desvendar os próprios pensamentos. Sentia-se um monstro. Não gostava de ninguém, não nutria nenhum afeto para sentir saudades: simplesmente vivia. Pessoas apareciam e ele era obrigado a conviver com elas. Pior: era obrigado a gostar delas, mostrar afeto. Não importava sua indiferença desde que a encenação parecesse legítima, o que tornava tudo mais fácil. “(Pág.12)








8 Comentários

  1. Preciso ler este livro! Me lembrou muito "A Última Casa da Rua", não sei se pela tensão que você descreve ter sentido ao ler ou se devido à mente doentia desse tal Léo. Com certeza é um livro que estarei adicionando à minha estante de "quero ler".
    Adorei a resenha, meus parabéns!!

    =*

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Nossa, sou louca para ler os livros do autor e principalmente esse, muito legal mesmo e espero com certeza ler e gostar como você e todos que conheço

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Esses dias eu vi outra blog falando sobre esse livro, ela não deu tantos detalhes como você, só agora entendi do que se trata. E eu fiquei com tanto medo desse Léo? Eu nunca li thriller psicológico nem nada que me deixasse cara a cara com o pior do ser humano. Pra mim nada de terror nem nada do tipo, eu fiquei assustada só com a sinopse. Gostei da resenha

    ResponderExcluir
  4. Oiii que amor a capa deste filme, fiquei louca para ler, não conhecia e agora quero muito ter ele para mim ahhhaha
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ana, tudo bem?

    A primeira resenha li há algum tempo e ela não era muito simpática, não hehe. Então, acabei não me interessando. Sabendo sobre o teor do livro, já sei que não é coisa pra mim. Sou muito sensível, a ponto de quase passar mal quando falam das torturas na ditadura, quando vejo cenas de filmes com muita violência etc, então, eu passaria mal com este livro também. Mas acredito que o personagem tem profundidade, só espero que o autor tenha conseguido passar isso na história. Gostei muito da sua resenha, moça :)

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li Vilarejo, mas tenho vontade. Gostei da premissa desse livro, apesar de saber que se eu ler vou sofrer pacas e que também não sei se chegaria até o fim, ver Clarice sofrendo acho que acabaria comigo,hahaha. Deus me livre conhecer um louco desse e saber que existem pessoas assim na vida real da aquele frio na espinha. Se esse livro for assim tão forte como você disse na sua resenha, eu não sei se teria estômago e coração para chegar até o fim.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Gosto de livros que mostram a feiura do ser humano, que parece que é o caso desse. Já odeio Léo sem nem ao menos conhecê-lo. Léo é o tipo de personagem/homem que aterrorizam as mulheres. Personagem e/ou pessoas sociopatas são especialistas em enganar as pessoas próximas.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oie
    Nossa, eu estou mega louca por esse livro, que bom que curtiu a leitura apesar do final, quero ler todos do autor e espero gostar como você, e em breve hahaha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir