Título: A Contadora de Filmes
Autor: Hernán Rivera Letelier
Ano: 2012
Editora: Cosac Naify
Número de páginas: 106
Comprado na: Amazon
Skoob: Adicione


Sinopse: Uma das mais gratas surpresas da literatura latino-americana dos últimos quinze anos se chama Hernán Rivera Letelier, e um dos exemplares mais felizes de sua safra é A contadora de filmes, que a Cosac Naify lança com tradução de Eric Nepomuceno e texto de orelha do cineasta Walter Salles, que pretende levá-la ao cinema em breve. A história de A contadora de filmes parece singela: no final dos anos 50, Maria Margarita é a filha menor de uma família de mineiros, para quem a sessão de cinema dos domingos – única diversão do povoado – é ocasião para descobrir a última obra-prima de Chaplin, as tramas lacrimejantes dos filmes mexicanos, a saia esvoaçante de Marilyn Monroe ou as novas aventuras de John Wayne. Um acidente de trabalho sofrido pelo pai corta a renda familiar pela metade, e um só dos filhos será escolhido para ir ao cinema aos domingos. A missão é contar a história do filme para o resto da família. E, na espécie de concurso promovido pelo pai, Maria Margarita é quem se sai melhor e descobre o talento que tem para narrar.


Olá, tudo bem.

Hoje vou falar de um livro que me encantou muito, pelo título e pela premissa, pois amo cinema.E foi uma leitura maravilhosa. Resolvi viajar pela America latina (na Literatura Latino-americana) e comecei muito bem, com Literatura Chilena, do autor Hernán Rivera Letelier. Com um livro sensacional, cheio de emoção e delicadeza. Narrado em primeira pessoa pela personagem Maria Margarita, que nos contará sua história, de como se tornou a famosa contadora de filmes aos 10 anos de idade em seu povoado no deserto do Atacama.


A Contadora de Filmes traz a história de Maria Margarita, caçula de uma família de mineiros com quatro irmãos, Mariano, Mirto, Manuel e Marcelino. Uma família que ama ir ao cinema todos os finais de semanas. Mas que com o acidente de trabalho do pai, que ficou paralítico, e recebendo uma pensão que era metade de seu salário, tiveram os gastos cortados, assim não foi mais possível a família ir ao cinema. A mãe de Maria Margarita,a Maria Magnólia foi embora com o ocorrido. Sim, é muitos emes. Mas tem uma explicação na história.

“Como em casa o dinheiro andava a cavalo e a gente andava a pé, quando chegava um filme no acampamento da Mina e meu pai – só pelo nome do ator ou da atriz principal – achava que parecia ser bom, as moedas eram juntadas uma a uma, o preço exato da entrada, e me mandavam assistir.Depois, ao voltar do cinema, eu tinha de contar o filme a família reunida na sala.” (pág. 5)

Acompanhamos a vida de Maria e seus familiares, ela nunca brincou de bonecas, suas brincadeiras eram sempre com seus irmãos de bolinha de gude e jogo de palitinhos, matando lagartixas. E era muito boa nestas brincadeiras. Até fazer xixi, Maria fazia como os irmãos, de pé. (Confesso que rir na hora que ela conta esta parte da vida) Pois é de uma maneira tão gostosa, como se ela tivesse conversando conosco do nosso lado.

Vivendo apenas os cinco agora. O pai então teve a ideia de fazer um concurso entre os filhos para ver quem iria ao cinema toda semana assistir um filme, e ao voltar contar a história para família. Maria Margarita ganhou o concurso e começou a contar a trama para família. Com o passar do tempo ela foi ganhando fama e os vizinhos também iam ouvir a contadora de filmes, com o tempo Maria ia a atender a domicílio, Senhoras idosas entre outros, e foi aí que fatos tristes começaram a chegar até Maria. Começo de uma puberdade conturbada. Mesmo com acontecimentos tão tristes na vida desta jovem, as vidas vividas nos filmes por ela, através de sua narração eram como um refúgio.

“Era lindo, depois de ver o filme, encontrar meu pai e meus irmãos me esperando ansiosos em casa, sentados enfileirados que nem no cinema, penteadinhos e de roupa limpa, recém- mudada”

“Sua filha é uma fada contando filmes, vizinho, e sua varinha mágica é a palavra. Com ela, nos transporta.”

Que livro incrível. Confesso que me emocionei nas primeiras páginas. É de uma simplicidade e delicadeza, que você se apaixona de cara. Uma família que é apaixonada por cinema. Uma menina que tem um dom, o de contar tramas de todos os gêneros de maneira cativante. Fiquei encantada e solidária por toda a família, pois eles viviam na pobreza, em um povoado que tinha como renda principal A Mina de Salitre. O pai era muito simples e querido, gostei muito deste personagem. Que sofria muito com o abandono da esposa.

Neste livro curtinho, veremos injustiças sociais, o poder de quem tem mais, sob o mais humilde. E as consequências destas atitudes. Como pode afetar outras vidas, principalmente de uma adolescente inteligente, que só precisa de oportunidade para ter uma jornada decente e feliz. Mas este povoado não é um lugar de muitas possibilidades.

A História é linda, mesmo com um final triste, mas sabemos que é bem realista, pois é o que mais acontece em alguns povoados por aí. Pequenos e pobres. Cada familiar teve um destino que nos faz refletir, como este autor foi sincero na sua história.

“Ao chegar à esquina do cinema nós ouvíamos a música emergindo dos velhos alto – falantes e nossos corações se enchiam de júbilo.”

“Eu lia feito uma desmiolada”

A edição é maravilhosa. A Cosac Naify nunca decepciona e separei algumas fotos para mostrar um pouco do livro. Livro com orelhas, folhas amarelas com preto em papel grosso. Fonte no tamanho muito agradável.

















19 Comentários

  1. caramba! Fascinei=me pelo que você descreveu. Eu sou muito ligado á ações sociais, até tenho um grupo de voluntariado onde arrecadamos todo tipo de doação pra famílias carentes (roupas, alimento, brinquedos e AMOR). Eu sou o responsável por visitar as famílias que vamos ajudar e "entrevistar-los"(fazer a sondagem do que eles necessitam). Eu tenho um certo fascínio pelo simples, especialmente porque na maioria das vezes eu encontro situações difíceis demais de lidar, mas que as famílias lidam com muita luta e um sorriso no rosto. A premissa da história é incrível, quero mesmo ler e ver os caminhos da vida dessa menina. Imagino a cena dela chegando em casa pra contar os filmes e ainda me relembro dos momentos que vejo um filme ou trailer que gosto e corro pra contar pros meus irmãos, na vida dela isso tem um sentido muito profundo que eu quero ler-ver.

    ResponderExcluir
  2. Oi. Eu também estou explorando mais a produção Latino-americana e amando o que tenho livro, livros fabulosos. Este livro, não conhecia, vi a primeira vez em teu face e achei a capa fantástica. E esse enredo fantástico? Eu simplesmente amei tudo, aprecio blogs que mostram livros diferentes com boas resenhas. Perfeito. Perfeito!

    ResponderExcluir
  3. Olá ^-^Não seria um livro que eu aproveitaria :/ embora ache a capa linda. Acho que é interessante para quem gosta muito de cinema, mas para mim não seria uma leitura prazerosa.
    Beijinhos
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  4. Olá, eu não conhecia o livro mas pela sua resenha eu achei bem parecido com " A menina que roubava livros", não sei se você conhece. Gostei bastante da premissa do livro e você soube expressar na resenha o quanto gostou do livro. A capa eu achei meio estranha, não entendi muito bem, mas fora isso, acho que gostaria do livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é incrível e não tem nada a ver coma menina que roubava livros deixo o link caso tenha interesse de ler https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=5fe3013ec1&view=att&th=15ad398638f4a881&attid=0.1&disp=inline&realattid=1561967840047661056-local0&safe=1&zw

      Excluir
  5. Hello :)
    Já estou apaixonada pelao enredo do livro. Não conhecia nada sobre literatura chilena e com certeza lerei este livro, pois me parece bastante tocante e interessante, além de abordar duas das minhas grandes paixões: Cinema e contar histórias e estórias. Adorei a dica, já está mais que anotada!


    Beijinhos e que a Força esteja com você!
    www.cantinhocult.com

    ResponderExcluir
  6. Oiee ^^
    Que história bonita ♥ eu ainda não conhecia esse livro, mas fiquei curiosa para ler, principalmente ao ver que a Margarita parece ser uma personagem maravilhosa. Fiquei animada para ler, mas também um pouco receosa com esse final triste *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2016/01/lancamentos-janeiro-editora-arwen.html

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana, eu nunca tinha visto esse livro ainda e confesso que me apaixonei por ele, sua resenha me cativou muito a ir atrás e ver o que eu acho dele. Eu também sou apaixonada por filmes e tenho certeza que irei amar o livro.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  8. Oii,

    A edição desse livro está lindíssima mesmo.
    E achei a história bem interessante e parece ser envolvente também.
    Sem contar que deve ter algumas pitadas de humor, pelo que pude entender na resenha.

    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana
    Que livro interessante! Ainda não acontecia mas fiquei bem curiosa por causa da sua resenha.
    Gosto de livros assim, realistas e que falam de problemas sociais. Gostaria muito de conferir a obra. Ótima dica, tenho certeza.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, oi!
    Já me emocionei só de ler a resenha. Imagina de ler o livro?
    Adorei a simplicidade e o calor da história que você apresentou, Ana. De fato, a Cosac Naify é sempre impecável com seu trabalho, pena ter fechado as portas.
    Linda resenha.
    Bj

    Notinhas de rodapé ;)

    ResponderExcluir
  11. Olá Ana Lucia!
    Já conhecia a escrita de Hernán de alguns relatos que li há alguns anos, é muito boa e tocante. Os livros latino-americanos quando são realistas eles costumam nos envolver e "machucar" sabe? Tirar um pedaço de nós e colocar um outro pra nos lembrar que algum personagem já viveu algum muito ruim. São marcantes, de fato.
    A história da Maria me deixou intrigada e me identifiquei um pouco com toda a situação de pobreza. Parece ser bem triste tudo o que aconteceu com a família, mas as crianças se adaptam com mais facilidade que os adultos, principalmente o pai deles. Fiquei curiosa para fazer a leitura, acho que tb vou gostar..
    bjss
    http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá! Tudo bem?
    Primeira vez que vejo falar desta e obra e que cativante que a trama é. Fiquei tocada só com sua resenha, imagino que seja bem mais emocionante acompanhar essa história. Eu quero muito ler esta obra, e já vou colocar nos meus desejados. Não conhecia nenhum livro da editora, mas agora já conheço e quero ler!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  13. Olá! Nossa, fiquei encantada com a sua resenha! Conforme você ia narrando, ia imaginando os personagens, os lugares...E pela sua empolgação, fiquei empolgada também rsrsrs Parece ser bem sensível e gostoso de ler. Vou procurar por ele. Beijos!


    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  14. Que história mais cativante. Fiquei apaixonada por tudo que você pontou do livro. Uma linda história com uma final triste, mas que a gente torce para que as Marias Margarita possam mudar seus destinos. Espero poder ler esse livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oie
    eu sou bem curiosa pelo livro, tem um enredo meha chamativo pra mim pois adoro filmes haha adorei sua resenha e só estou mais curiosa

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. É extremamente encantador uma pessoa que sabe contar um boa história, seja de filmes, livros ou outra qualquer. Fiquei muito curiosa pela história dessa contadora de filmes, acho que deve ser uma personagem muito especial. Pena que o final é triste, mas ainda assim o livro é interessante.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  17. Oi, Ana.
    Fotos lindas, antes de tudo. Resenha encantadora. Você fez um ótimo trabalho em me deixar curiosa sobre um livro que eu normalmente não leria. Obrigada por isso! Uma pena a Cosac Naify estar fechando. Eu só a conheci quando fiquei sabendo da notícia. Espero poder comprar Contadora de Filmes antes que os estoques esgotem.

    Com carinho,
    Celly - Me Livrando.

    ResponderExcluir
  18. Se arrependimento matasse eu não estava aqui para contar esta história. Eu estava passando em frente uma livraria e me encantei pela capa deste livro, olhei, olhei e depois fui embora. Quando comecei a ler sua resenha já tinha achado a história interessante. Quando me deparei com a capa, dei sorte de estar sentadinha aqui.

    Muito interessante e acho que esse é daqueles livro que dá gosto de ler. Já anotei aqui! heheh

    Um abraço. Linda resenha!

    ResponderExcluir