Título: Que horas ela volta?
Data de lançamento: 28 de agosto de 2015 (EUA)
Direção: Anna Muylaert
Duração: 1h 54min
Gênero: Drama
Roteiro: Anna Muylaert, Regina Casé
Elenco: Regina Casé, Camila Márdila, Michel Joelsas, Karine Teles e Lourenço Mutarelli.
Nacionalidade: Brasil

Sinopse:A pernambucana Val (Regina Casé) se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica. Com muito receio, ela deixou a menina no interior de Pernambuco para ser babá de Fabinho, morando integralmente na casa de seus patrões. Treze anos depois, quando o menino (Michel Joelsas) vai prestar vestibular, Jéssica (Camila Márdila) lhe telefona, pedindo ajuda para ir à São Paulo, no intuito de prestar a mesma prova. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, só que quando ela deixa de seguir certo protocolo, circulando livremente, como não deveria, a situação se complica.



Oi, cinéfilos!


Hoje vou falar de um filme que está dando o que falar lá fora. Que é o ‘Que horas ela volta?“. Eu o vi ontem, e confesso logo que gostei bastante. A trama traz a história de Val, uma  mulher que está há um bom tempo trabalhando para uma família rica de São Paulo. A realidade de muitas mulheres que as vezes deixam de cuidar do próprio filho, para dedicar-se ao filho dos patrões. Val cuida de Fabinho desde que ele era pequeno, todo o carinho que poderia ter dedicado a filha é para Fabinho, filho dos patrões. E ela precisa fazer isso para poder mandar dinheiro para sua filha Jéssica, que mora em Pernambuco.


Val e Fabinho


Val mora no trabalho, pois não tem casa ainda. Então já devem perceber que ela está disponível 24 horas por dia. Fica em um quartinho dos fundos. Onde acumula as coisas que já está comprando para sua casa mais Jessica no futuro. Tudo estava indo no seu percurso de sempre. Até que ela recebe a ligação de Jessica, avisando que precisará ficar com ela para prestar vestibular. E aí que começa os conflitos. Pois Jéssica chega à casa dos patrões de Val, mas não segue as regras, que é imposta em algumas  relações de patrão/empregado. Aquelas regrinhas básicas, que a maioria conhece/seguem, mas muitos fingem que não existe.  Mas os patrões de Val, são legais com ela. A tratam bem. Sim. Mas este é o correto, não é?. Porém, tem aquele outro lado: Eu sou seu patrão, então eu sou superior/melhor que você, seu lugar, é da cozinha pra lá... Entre outras coisas. Mas Jéssica parece não entender isto, enquanto as pessoas a vê como apenas a filha da empregada. Ela se enxerga como apenas pessoa, capaz de qualquer coisa, como entrar na universidade desejada. E não ver nada de errado em circular pela casa, ou comer na mesa.  Ou até quem sabe tomar um banho de piscina. Sim, é polêmico. É fantástico. haha (Nossa, tinha que usar esta frase). Mas é estas pequenas coisinhas aí, que torna o filme grande.

Jéssica e Val

E no meio destes conflitos, Val fica para enlouquecer, de vergonha e medo de perder o emprego. E avisa a Jéssica. “Olha, quando eles te oferecem alguma coisa, não aceite. Porque é apenas por educação.” E a Jéssica tem o pensamento completamente diferente da mãe. É o choque de duas gerações naquele momento. Da Val que tem esta experiência de vida, sempre ali, servindo, indo depois para seu cantinho e pronto. Sabe seu lugar. E a Jéssica, a jovem, que não está ligando para regras, convenções. E ela ainda questiona a mãe. “Quem disse que não pode isso, não pode aquilo. Quem te ensinou estas coisas?”. Ela não consegue entender que nestes dez anos de convivência com a família, morando nesta casa, Val nunca colocou os pés na piscina. E claro que Jéssica sente vontade assim que a vê. Mas é logo repreendida pela mãe. Que ela não pode usar as coisas dos outros. E esta piscina vai gerar outra cena no futuro, que eu gostei muito e fiquei super emocionada. Acontece muitas situações que você fica refletindo, e pensa, nossa, é desse jeito mesmo. E a gente fica falando em igualdade, que devemos respeitar as pessoas. Tratar como igual. Mas ainda existe muita esta relação triste no Brasil. De superioridade, eu sou melhor que você. O filme aborda sutilmente várias questões sociais. Um tema sério que vai ser abordado levemente e até com uma pitada de humor, pois não tem como não rir de certas situações. E ao mesmo tempo se emocionar com outras.


Barbara

Os personagens são sensacionais, Val e Jéssica são as estrelas deste filme. A partir do momento que Jéssica chega tudo muda. O comportamento de seu personagem (abusado ou não) é que vai desencadear várias discussões no decorrer do filme. Haverá cenas lamentáveis, que me deixaram com muita raiva, e que claro, envolve a dona da casa. E terá também umas bem inteligentes e que eu gostei muito. As cenas da piscina e de um conjunto de xícaras foram muito lindas e libertadora para mim. E a frase que Val fala sobre as xícaras, comparando a Jéssica é muito legal. E nesta hora a gente percebe como ser diferente e pensar diferente podem sim, fazer a diferença. Pois enquanto todo mundo te coloca para baixo, você não pode isso, é apenas a filha da empregada. Como você quer entrar para a FAU-USP.  Isso é muito difícil. Você está ali firme. Eu posso sim. Por que não?

Tem umas cenas, que você fica tenso, com medo do que os patrões irão pensar ou fazer, ao encontrar Jéssica fazendo uma determinada coisa. E só depois a gente ver como estamos ligados a conceitos e preconceitos. Como a sociedade faz uma lavagem cerebral conosco e ditam um monte de coisas como correta. E para alguns de nós é normal esta situação. Está tudo bem. E não é bem assim, não está tudo bem. Não é normal ser tratado assim. E se for analisar, muitas mulheres trabalham nesta situação e nem carteira assinada possuem. Gente, o filme traz muita coisa. Muita coisa mesmo. As vezes com um gesto ou uma frase, ele já aborda um tema. E isso me chamou muita atenção. E sem ser aquela coisa triste, depressiva.

A atuação da Regina Casé está maravilhosa, sério. Você esquece completamente que Val, é Regina Casé. Completamente. Ela vive a Val de um jeito tão intenso, tão real, humano. Impossível não ser conquistada pela Val, ela é muito simpática. E a Camila também deu show na pele de Jéssica. Gostei bastante do jeito rebelde, questionador e dona de si. Ela acredita nela mesmo e sabe o que quer da vida. E não está muito preocupada com a opinião dos outros. Gostei também da atuação Barbara. O Fabinho é aquele filho querido, amado pela Val e pais, mas tem uma relação conturbada com a mãe. Ele e o pai tiveram uma presença fraca. Quem dominou a cena, foram as três mulheres. Na verdade, Fabinho representa a maioria de nós. Não concorda com aquele tipo de atitude, mas consegue conviver com isto. Omisso.

Jéssica


Um filme super recomendado. Eu sei que existe muito preconceito em torno do cinema nacional. Que é uma pena, pois temos muitas produções boas. Que é super reconhecida lá fora, e aqui infelizmente muitas vezes nem é conhecido. Mas, para quem curte, ou está a fim de conhecer. Assista Que Horas Ela Volta? E me diga depois o que achou. Um filme com drama, humor, conflitos sociais e familiares, representação da mulher, mostrando seu lado forte e tudo que ela "precisa" aguentar em uma sociedade. Vocês irão encontrar inúmeras questões para discutir. O filme vai além. Maravilhoso!




6 Comentários

  1. Ouvi falar muito bem desse livro e fora os prêmios que ele está concorrendo...
    Adorei sua crítica, foi super esclarecedora ainda mais pra mim que não sabia nada à respeito da história.
    Confesso que não é um filme que assistiria pra me divertir, mas a dica é válida para um momento de reflexão.

    Abraço e Bons Livros e Filmes Sempre,
    Biblioteca do Coração❤

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana, descobri seu blog através de um comentário seu no Follow your dreams, e achei lindo seu blog e seu depoimento de ter passado um tempão primeiro com a idéia de ter um blog foi parecida com a minha, agora vc colocou em prática que bom né, quando disseste que eras iniciante então tive a curiosidade de vir olhar e sinceramente viu, de iniciante não tem nada! Seu blog é lindo e completo eu ainda estou personalizando o meu e procurando dicas aqui e ali, como vc conseguiu fazer tudo isso tão direitinho? Me dá dicas Ana, por favor rsrs, é complicadinho personalizar sozinha começando tudo do zero...parabéns pelo seu blog.

    ResponderExcluir
  3. Oláá
    Ouvi falar bastante do livro e parece ser muito interessante, muito legal a dica e a resenha. Ótimo trailer e espero assistir em breve, muito bom.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Não assisti ao filme ainda, mas minha mãe assistiu.
    Ela estava super ansiosa, mas pelo que me disse acabou se decepcionando com as atuações e o desenrolar da história. Acabei desanimando quando ouvi a opinião dela, mas acho que ainda vale a pena assistir para tirar minhas próprias conclusões!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana!
    Nossa! Esse filme desde o começo do ano está fazendo o maior sucesso lá fora. Ainda vou arranjar um tempinho pra assistir.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Ainda não tinha ouvido falar deste filme mas adorei sua opinião sobre ele.
    Quero muito assistir. ^^

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir