Livro: Laranja Mecânica
Autor: Anthony Burgess
Páginas: 224
Editora: Aleph
Ano: 2004

Sinopse: Laranja Mecânica - Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta brilhante e perturbadora história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex - soberbamente engendrada pelo autor - empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de "1984", de George Orwell, e "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley, "Laranja Mecânica" é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX. Adaptado com maestria para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, é uma obra marcante: depois da sua leitura, você jamais será o mesmo. Agora em nova tradução brasileira.



Olá, leitores!
Então eu li o clássico Laranja Mecânica. AÊÊ. Demorei, mas li. Eu adoro ficção científica, gosto muito de distopias, e faz tempo que queria ler este livro. E confesso que fui com muita sede ao pote, como dizem por aí. E acabei tendo um choque de inicio. Mas... Tive um choque bom, um negativo e um positivo. Vamos lá, drugui (amigo).  Entrar no mundo bolnoi(doente) de ALEX.




Burgess vai nos trazer a história de Alex, um adolescente de 15 anos, delinquente, que vive cometendo crimes com sua gangue. Composta por seus amigos George,Pete, e Tosko. Aqui temos uma Inglaterra futurista onde a violência tomou proporções assustadoras, onde as pessoas têm medo de sair de casa à noite ou até mesmo durante o dia.
“É um mundo fedido  porque ele deixa os jovens baterem nos velhos como vocês fizeram, e não existe mais lei nem ordem.” (pág.16)
Alex é líder de uma gangue, e junto com seus Drugui, saem à noite e metem o terror, eles espancam, estupram, fazem assaltos, tudo de perverso que se puder imaginar, esses jovens fazem, e tudo isso por prazer, diversão. Isso é o que mais choca. Para se ter uma ideia como é terrível a sociedade que eles vivem, é que se um  senhor estiver andando na rua, Alex e sua gangue simplesmente o abordam, tomam suas coisas e  batem até o senhor não conseguir levantar. E assim eles fazem sem se importar se é jovem ou idoso, se é menina ou senhora, não estão nem aí. Tem cenas bem fortes, como estupro coletivo. Tem dias que eles invadem a casa do cidadão para assaltar e espancam os moradores.  Acontece muita coisa, a população não se sente mais segura, por causa desta violência, então, preferem ficar em casa vendo tevê. Mas o governo não está só olhando de "braços cruzados", eles estão pensando em algo, e claro como um governo capitalista e totalitário, eles vão querer combater o crime a altura do crime.

 A vida de Alex vai se juntar com a solução do governo, quando em uma dessas andanças com seus amigos, eles entram na casa de uma senhora que mora sozinha com seus gatinhos. E tentam fazer o que sempre fazem. Mas dessa vez não sai como o esperado, a polícia chega, e seus amigos fogem, assim ele é preso e começa a segunda parte da vida de Alex. Pois a solução do governo é no mesmo nível das atrocidades cometidas pelos criminosos. Quase uma lavagem cerebral, o governo tem a solução para acabar com os criminosos. E para Alex sair da prisão, ele tem que ser cobaia nesse projeto de “cura”. E aí, será que irá funcionar, será que vão acabar com a violência com esse novo método, para transformar o homem mau, em homem bom?


“maldade vem de dentro, do eu, de mim ou de você totalmente odinokis, e esse eu é criado pelo velho Bog ou Deus, e é seu grande orgulho e radóstia. Mas o não eu não pode ter o mau, quer dizer, eles lá do governo e os juízes e as escolas não conseguem permitir o mau porque não conseguem permitir o eu.” (pág. 42)


"Eu vejo o que é certo e aprovo, mas faço o que é errado" (Pág.118)




Laranja Mecânica já chama atenção pelo nome estranho, mas que vai ganhando todo sentido durante a leitura. O choque de imediato que senti, foi com a linguagem, pois Burgees cria uma gíria própria para os adolescentes da época que se chama nadsat, uma mistura de russo com o inglês popular e assim surgiu uma linguagem bem diferente. Que às vezes te deixa perdido por não saber o significado, mas para nosso consolo tem um glossário no final do livro. Talvez essa linguagem diferente possa deixar a leitura um pouco cansativa, pelo fato de você ter que verificar o significado das palavras. Para mim no começo foi, mas depois parei de ir ao glossário e fui lendo assim mesmo, e as palavras foram fazendo algum sentido. O livro é narrado em primeira pessoa pelo Alex, então você já imagina, está na cabeça deste moço nada legal, nos contando toda história usando suas gírias muito loucas. Falando dos crimes, como se fosse algo bem tranquilo, normal. E em alguns momentos você até caçoa ou rir do modo que ele narra seus dramas.

“ A gente estava com o bolso cheio de denji, por isso não havia necessidade, do ponto de vista de krastar mais tia pecúnia, de dar um tolchok em algum vekio num beco e videá-lo nada no próprio sangue...” (pág.4)

O livro é dividido em três partes, com 7 capítulos para cada parte, totalizando 21 capítulos. Burgess usa essa estrutura, porque a idade adulta para eles é atingida com 21 anos, então o livro vai mostrar estas fases do personagem que começa com 15 anos. Então na primeira parte teremos o Alex apresentando seu modo de vida, na segunda parte vai mostrar ele sendo usado pelo governo, e na terceira teremos as consequências disso tudo, como será a vida dele após o tratamento? vai se tornar um homem “bom”?

“A Questão é se uma técnica dessas pode realmente tornar um homem bom. A bondade vem de dentro, 6655321. Bondade é algo que se escolhe. Quando um homem não pode escolher, ele deixa de ser um homem.”

Quando eu terminei Laranja Mecânica, não sabia se havia gostado ou não, fiquei com aquela sensação, é isso mesmo? É tudo isso? E o final, só isso? E fiquei pensando e analisando o livro e cheguei à conclusão que ele é um livro muito bom, e que gostei, sim. Gostei pelo fato de ser de 1962, e mesmo assim o autor enxergar tão longe, apesar de escrever suas experiências do seu presente. Ele relata as coisas que via na sua época, de modo diferente, claro. E hoje nós podemos enxergar na nossa sociedade também, infelizmente. Como o caso da violência, isso é assustador, mas a violência hoje está tomando proporções gigantes, quantos crimes ficam impunes, e o medo que sentirmos ao sair de casa, e assim optamos por ficar em casa vendo tevê ou fazendo outra coisa; as super lotações nos presídios. Tudo isso Burgess coloca no seu livro. E ele vai além, ele fala também do livre arbítrio, que temos que ter o poder de escolha, ainda fala do bem e do mal, o que é ser bom? O que é ser mau?  Os vários questionamentos e críticas que aparecem durante a leitura, fez eu analisar e gostar do livro. Mas não consigo aceitar o Alex e nem a sociedade onde ele vive, mesmo vendo algumas semelhanças com a nossa atual. 

"Agora o que eu quero  que você saiba é que esta cela havia sido projetada para apenas três quando foi construída, mas éramos seis ali, todos espremidos, suados e apertados" (Pág. 86)

Para vocês terem uma ideia de como o autor escreve bem, teve momentos que fiquei penalizada com o Alex, após a técnica do governo. Gente, como assim? Sentir pena de uma pessoa que comete os crimes absurdos que foram feito por ele no inicio do livro. Pois é, acredite, em algum momento do livro você sentirá esse sentimento. Mas continuo não gostando do protagonista, que fique claro. Rs. Mas teve um personagem que me chamou  atenção, um escritor, que mesmo sendo vítima da ultraviolência, era contra os métodos do governo. Eu só não gostei muito do final, mas foi um final possível, de reflexão talvez para Alex, ou para o próprio autor. E talvez para você que leu ou vai ler.
" Ele não tem nenhuma escolha, tem? A preocupação consigo mesmo, o medo da dor física, o levaram a esse ato grotesco de autodepreciação. Sua insinceridade estava clara. Ele deixa de ser um malfeitor. Ele também deixa de ser uma criatura capaz de escolha moral." (Pág 128)

" Eles transformaram você em alguma coisa que não um ser humano. Você não tem mais o poder de decisão. Você está comprometido com atos socialmente aceitáveis, uma maquininha capaz de fazer somente o bem" (Pág.156)
"Alguns de nós tem de lutar. Existem grandes tradições de liberdade a defender. Não sou homem de partidos políticos. Onde vejo a infâmia, busco erradica-la. Nomes de partidos nada significam. A tradição de liberdade significa tudo. As pessoas comuns deixarão isso passar, ah, sim. Elas venderão sua liberdade por uma vida mais tranquila." (Pág. 161)



Então pessoal, vou finalizando por aqui, porque se eu for discutir tudo que tem nesse livro, não terminarei hoje. O livro traz muito assunto para discussão, isso é muito legal. E claro que eu recomendo Laranja Mecânica, e se durante a primeira parte você achar chato, não desista do livro, vá até o final. Pois a intenção do autor é essa, causar esse estranhamento, durante a leitura, este mal estar, Assim podemos entender e nos envolver mais no mundo de Alex. A gente percebe que é um livro bem pessimista, a visão do autor é pessimista. Mas através deste modo de pensar, enxergamos e captamos muito mais a essência de Laranja Mecânica.











21 Comentários

  1. OH MEU DEUS!! Esse livro parece maravilhoso!
    Estou tão curiosa que até tentei ler um pouco das páginas que você postou, mas estão desfocadas haha </3
    http://www.simplesmenteinsolita.com/

    ResponderExcluir
  2. Gosto de alguns livros de distopias. Confesso que esse nunca chamou minha atenção. Mas ledo sua resenha me despertou um pouco de curiosidade ainda mais pela nova linguagem investida no livro. Gosto de livros diferentes e esse não foge do padrão.

    http://minhasprimeirasimpressoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ei Ana,
    Tem tanto tempo que li esse livro rs.
    Sua resenha me fez lembrar de várias coisas, assim como você fiquei sem saber se tinha gostado ou não do livro. Por outro lado quando parei para analisar o livro mudei de ideia e entendi o motivo de ser um clássico tão elogiado. Parabéns pela resenha, acho que se fosse resenhar esse livro acabaria falando e não falando nada rs

    Coração Leitor

    ResponderExcluir
  4. Dizem que esse livro é simplesmente sensacional. Ainda não tive a chance de ler, mas sou louca pra por ele na minha estante.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante mesmo, sua resenha ficou show! *-*

    http://vihpaula.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Sempre ouvi falar desse livro, muitas vezes muito muito bem, mas não sei porque eu nunca tive nenhum interesse nele! :/ Sua resenha deu um ponto a mais para ler, mas ainda sim hahaha to meio com um pé atrás!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Ana lindona mesmo sendo um clássico , com elogios e adaptação para o filme, não me atrai para uma leitura pelo menos nesse momento , creio que vou ler e ficar sem saber se gostei ou não. Vou ler em outro momento. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ana!
    Tenho muita vontade de ler esse livro, já vi o filme e foi bem impactante quando assisti. Tudo que leio sobre Laranja Mecânica são elogios e isso me deixa com muitas expectativas, espero gostar da leitura também! ;)

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana, sempre vejo falar muito bem deste livro, e sei que os fãs de ficção o adoram, mas ainda não tive aquele real interesse em lero livro.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Ana.

    Eu quero ler mais clássicos, mas a preguiça é maior que tudo. Laranja mecânica não me atrai e só de saber que o começo é lento me desanima mais. Quem sabe em um outro momento.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Sorteio: Romances de Época

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana, tudo bem?
    Gosto muito da premissa do livro mas ainda não tive oportunidade de ler...espero conseguir em breve...
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    eu tenho muita dificuldade e me expressar sobre esse livro.
    no final eu também fiquei nessa dúvida cruel, gostei? Não gostei ?
    e um livro bem intenso mesmo, levei o dobro de tempo pra ler por causa da linguagem rs
    Beijo,
    May
    www.ensaiodemonomania.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá...

    Gostei bastante da resenha, mas aparentemente não é o estilo de livro que eu realmente gosto, provavelmente ficará bem no final da minha, imensa, lista de leitura.... rsrsrs

    Beijos
    Natana
    Colecionando Livros

    ResponderExcluir
  14. oque mais me assusta nestas obras de ficção é a realidade que elas passam, proximidade com coisas tão cotidianas ou que vemos nos jornais e já nem assustam tanto.. gostei muito de sua resenha , parabéns bjss
    http://florroxapoemasepoesias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Olá! Esse livro é muito bom, inclusive pela verossimilhança.
    Tem algum tempo que o li e quero reler e usar no âmbito educacional.
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi ^^
    já faz um tempo que estou planejando ler este livro, mas tenho certo receio de me atrapalhar justamente com esta nova "lingua" utilizada na história.
    Sou meio atrapalhada e não queria que este pequeno detalhe atrapalhasse a leitura, acho que por isso que venho adiando para pegar o livro hahah

    bjs

    ResponderExcluir
  17. Oi Ana...
    Eu ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas gosto bastante da história. Sua resenha está muito boa e nos deixou aquele gostinho gostoso de sim eu quero ler e ver o que acontece.

    beijosss
    Mayara

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    tenho muita vontade de ler esse livro, principalmente por essa questão do autor ser praticamente um visionário. Afinal, clássicos não viram clássicos a toa, rs.
    Adorei a resenha, e fico me perguntando o que eu iria sentir pelo protagonista, rs
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi, tudo bem?
    Todo mundo fala tão bem desse livro que eu não vejo a hora de o ler, mas ainda não tive oportunidade :c Confesso que não costumo ler distopias, mas esse livro deixa qualquer um curioso, né? Acredito que se eu o ler irei ter um choque também, mas irei gostar assim como você.

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Meus livro preferidos são os que trazem alguma discussão, esse livro já está na minha estante há um tempão e eu tô doida para lê-lo logo, agora mais ainda, adorei sua resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. ESSE LIVRO É FANTÁSTICO!!! Comprei a edição especial na promoção do Submarino, e ele será minha próxima leitura <3
    Ai, ai, ai, to quase surtando pra ler logo hahahaha
    Um beijão!
    www.literasutra.com

    ResponderExcluir